Top 5 | Cinco anti-heróis e anti-heroínas da Literatura (para amar)

Anti-herói é aquela personagem que, apesar de agir para o bem e buscar por Justiça, é motivada por interesse próprio, egoísmo, vingança...


Anti-herói é aquela personagem que, apesar de agir para o bem e buscar por Justiça, é motivada por interesse próprio, egoísmo, vingança ou vaidade. Ou seja, embora tenha boas intenções, este tipo de personagem atinge seus objetivos utilizando meios ilegais, ilícitos ou imorais. Por isso, às vezes é difícil diferenciar o anti-herói do vilão. No entanto, o anti-herói, na estória, acaba conquistando a aprovação das demais personagens da obra, em virtude dos seus atos benevolentes. Normalmente, são personagens complexas, profundas e cheias de camadas que, quando bem exploradas pelo escritor, criam um anti-herói excelente. Além disso, o anti-herói deixa suas vulnerabilidades e fraquezas expostas, criando uma identificação do leitor com seus defeitos.
Este post é para falar sobre os meus anti-heróis preferidos.

1) Tyler Durden em "O Clube da Luta", de Chuck Palahniuk

Tyler Durden, através de suas iniciativas do Clube da Luta e do Projeto Mayhem, tem como objetivo promover uma sociedade mais igualitária para todos, onde as pessoas não sejam vítimas das consequências negativas do capitalismo e do consumismo. Porém, as ações que Durden exige de seus afiliados são destrutivas, violentas e brutais, carregadas de auto-punição, sacrifícios e humilhação. Além disso, Durden é carismático e magnético, como um bom anti-herói precisa ser, afinal, ele precisa fazer com que as demais personagens deixem de lado seu sistema próprio de ética e de moral para atingir seus objetivos grandiosos e bons. Como sabemos que ele é uma outra personalidade do Narrador, é através deste último que o leitor se identifica com as fraquezas, fracassos e perdas do anti-herói.
Caso goste deste livro, veja também o post O Livro ou o Filme? dele.

2) Severus Snape em "Harry Potter", de J. K. Rowling

Snape é arrogante, cruel, distante, guarda mágoas de Harry Potter e o maltrata mesmo quando ele ainda era uma criança, age como espião de Voldemort e já foi um Comensal da Morte. Nenhuma destas características o colocaria na posição de herói da saga. Para piorar a situação, ele mata Dumbledora e, até que o leitor saiba dos detalhes deste assassinato, ele gravita na figura de Vilão. Porém, quando sabemos que todos os atos e todas as atitudes dele foram motivadas pelo Amor que ele ainda sentia por Lilly, automaticamente ele transforma-se em um anti-herói. Afinal, suas intenções eram boas - preservar seu amor incondicional por Lilly, cumprir a promessa de proteger seu filho e também cumprir a promessa que fez a Dumbledore. Esta guinada de Vilão à Anti-herói confere a Snape o status de uma das melhores personagens literárias já escritas até hoje.

3) Kelsier em "Saga Mistborn - Nascidos da Bruma", de Brandon Sanderson

A Saga Mistborn é uma das melhores que já li e falei sobre ela aqui. Kelsier aparece apenas no primeiro volume da trilogia, mas as consequências de seus atos são tão impactantes que sua presença resvala nos dois livros posteriores, na figura de um Deus. Kelsier quer libertar os skaa, que são a classe social oprimida e escravizada pelo Senhor Soberano. O império deste último já dura mais de mil anos e Kelsier quer descobrir uma forma de destituí-lo do Trono, implantando um governo mais democrático e livre. Porém, para isso, Kelsier se vale de chantagens, assassinatos, roubos e outras ações "vilanescas". No fundo, ele só quer construir um novo mundo, onde existam flores, como sua esposa, Mare, sonhava antes de morrer. Ele é extremamente carismático e persuasivo e tem um pedaço do meu coração como um dos meus amores imaginários.
Aliás, Brandon Sanderson é mestre em escrever personagens sensacionais. Recomendo também o livro Elantris.

4) Lisbeth Salander em Trilogia Milenium, de Stieg Larsson

Falei mais sobre esta trilogia neste post. Lisbeth, para mim, é uma personagem que vai além da obra. Ela poderia ser explorada e inserida em diversos contextos, pois é complexa, profunda e forte, além do excelente adendo de fugir dos clichês femininos. À margem da sociedade, reclusa e traumatizada pelos abusos sexuais da infância, Lisbeth transforma-se numa hacker de primeira linha, cometendo diversos crimes virtuais (e não tão virtuais assim). Assim, ela deseja expôr homens que cometem abusos, procurando Justiça para crianças e mulheres que também foram abusadas, em uma tentativa de redimir seu próprio passado doloroso. Embora muitos teóricos a categorizem como uma antagonista da obra, acho ela uma incrível anti-heróina, que busca vingança em um mundo hostil e violento. 


5) Oryx em "Oryx e Crake", de Margaret Atwood

Falei recentemente sobre este livro aqui. É uma excelente sugestão de leitura para amantes de distopias e ficção-científica.
Oryx é uma mulher extremamente misteriosa da estória. O leitor sabe, aos poucos e de forma fragmentada, sobre sua vida e, juntando os pedaços, descobrimos que ela participava de filmes pornô infantis quando criança, tornou-se prostituta quando jovem e seu trabalho é enganar os homens em busca de informações valiosas. Ao mesmo tempo, ela é doce, carinhosa, bondosa e generosa. É uma anti-heroína cativante pois, ao mesmo tempo que se envolve em prostituição, tráfico sexual e drogas, faz o leitor torcer para que ela atinja sua redenção. Não sabemos seu nome real, nem a versão definitiva de sua vida, e isso só a torna mais sensacional.

Pessoalmente, acho que precisamos de mais anti-heroínas na Literatura, pois elas reescrevem a mulher como dona de si, autêntica e inconformada com a sociedade. Acho que este tipo de personagem torna a estória muito mais interessante, saindo daquela dicotomia chata e clichê de Bem Versus Mal. E você, quais são seus anti-heróis e anti-heroínas preferidos?

Posts Relacionados

Comente com o Facebook

1 comentários

  1. Severus <3
    Tb adoro anti-herois e concordo que precisamos de mais na literatura, especialmente anti-heroinas :)
    Clube da Luta e a Trilogia Millennium estão na minha lista de leitura. Só assisti aos filmes, e adorei.
    Já o livro da Margaret Wood, apesar de já ter ouvido falar da autora, essa obra especificamente não conheci. Parece bem interessante.
    Abs
    Daniela Tiemi
    Leituras & Comidinhas

    ResponderExcluir