Rory Gilmore Book Challenge | O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir

Este é um daqueles posts que inspiram movimento e reação. Ler Simone de Beauvoir é mais que uma leitura, é uma experiência, e espero tr...


Este é um daqueles posts que inspiram movimento e reação. Ler Simone de Beauvoir é mais que uma leitura, é uma experiência, e espero transmitir um pouco da minha com seu livro "O Segundo Sexo". Já adianto que, infelizmente, precisei resumir bastante minhas impressões sobre o livro, pois senão este post ficaria imenso. Nada substitui a leitura do livro dela.


Este livro faz parte do Rory Gilmore Book Challenge. Para quem não sabe do que se trata, o desafio consiste em ler todos os livros que Rory, a personagem mais legal da série Gilmore Girls, menciona na série. São 340 livros e aqui você pode ver quais o Perplexidade e Silêncio já leu (alguns posts são feitos para outras sessões do blog, mas fazem parte da lista de livros da Rory).

Publicado originalmente em 1949, "O Segundo Sexo" é uma das obras mais celebradas e recomendadas para entender o movimento feminista. Simone de Beauvoir compila diversos estudos, referências históricas e fatos para analisar a situação da mulher na sociedade. É um livro complexo e tentarei, na medida do possível, compartilhar as idéias centrais dele.

“Os proletários dizem "nós". Os negros também. Apresentando-se como sujeitos, eles transformam em "outros" os burgueses, os brancos. As mulheres — salvo em certos congressos que permanecem manifestações abstratas — não dizem "nós". Os homens dizem "as mulheres" e elas usam essas palavras para se designarem a si mesmas.” (Simone de Beauvoir)

Para compreender a origem da "inferioridade" da mulher na sociedade patriarcal, Simone de Beauvoir faz análises em várias dimensões, tentando compreender como este fenômeno começou e porque ele se perpetua. A primeira dimensão que ela explora é a biológica. Na primeira parte do livro, ela demonstra que, na natureza, a divisão macho/fêmea e a submissão da fêmea ao macho acontece em poucos casos, na maioria deles em mamíferos, e traz uma lista longa de exemplos de espécies onde macho e fêmea são iguais. Ela reforça que os aspectos biológicos (menstruação, hormônios, gravidez) não devem servir de justificativa para a inferioridade das fêmeas. Na minha opinião, foi a parte mais maçante do livro e Simone demora a postular sua opinião, mas reconheço que esta dimensão biológica seja um ponto importante a ser abordado.

“Não é a natureza que define a mulher: esta é que se define.” (Simone de Beauvoir)

Depois, Simone de Beauvoir parte para uma crítica à análise psicanalítica da inferioridade feminina. Para quem não sabe, ela foi casada com Jean-Paul Sartre, criador do Existencialismo, que teoriza o oposto de Freud, criador da Psicanálise e, por isso, Simone esteve incluída no universo da Psicanálise por muitos anos. Como sou psicóloga especializada em Freud, esta parte do livro fluiu bem e consegui entender o ponto-de-vista dela (e a voz de Sartre ao fundo em suas teorias), mas é um trecho do livro que alguns leitores podem não entender, pois tem vários termos técnicos de Psicanálise.

Nesta sessão do livro - e também mais adiante - Simone faz muitas críticas à instituição do casamento e conta toda a História do mesmo, mostrando que, no início, a mulher era vista como uma propriedade que deveria ser passada do pai ao marido. Ela também demonstra que conceitos como fidelidade, adultério e divórcio eram impraticáveis às mulheres, afinal, elas eram apenas um "bem" que o marido possuía e, por isso, não poderia agir com livre-arbítrio. Ela mostra como o casamento acontece, como instituição econômica, desde o século XVI, passando pelos romanos, gregos, etruscos, egípcios e Idade Média. Para mim, esta reflexão foi a mais interessante do livro, pois nos faz repensar muitos ensinamentos que recebemos quando ainda somos crianças e que são repassados geração após geração, sem grandes questionamentos da sociedade. 

“A desvalorização da mulher representa uma etapa necessária na história da humanidade, porque não era de seu valor positivo e sim de sua fraqueza que ela tirava seu prestígio.” (Simone de Beauvoir)

Adiante, Simone de Beauvoir começa a explorar a questão dos mitos que envolvem as mulheres,. Nesta parte do livro, ela lista e comenta diversos mitos religiosos (Ave Maria, Deusa-Mãe, etc) até os mitos mais "cotidianos" (os mistérios femininos, "a mentalidade a mulher é diferente", e por aí vai). Conforme ela demonstra quantos mitos cercam a figura da mulher, fica claro para o leitor que tais mitos enfraquecem sua identidade, colocando-a numa posição passiva e sem energia. Outro ponto importante que ela observa mostra que é muito mais fácil para os homens dizerem que não entendem a "cabeça das mulheres" do que analisarem seu pré-conceito e refletirem que trata-se de uma distinção ridícula. Aqui, ela vai mais além e inclui, nestes mitos enfraquecedores, a noção padronizada de beleza da mulher,  questões como moda e maquiagem (que ela condena) e outros comportamentos cotidianos que se enraizaram como pertencentes ao "mundo feminino". 

Continuando sua análise histórica, Simone de Beauvoir percebe que “A mulher burguesa faz questão de seus grilhões porque faz questão de seus privilégios de classe.” Com isso, quando a mulher finalmente conquista um pouco de independência e poder econômico, ela não o usa a favor da libertação feminina, por comodismo e conformismo. Simone, então, mostra que a própria mulher é responsável pelo lugar em que se encontra na sociedade, pois não luta por si mesma como deveria, reforçando o domínio dos homens (brancos). Continuamente, Simone compara as mulheres aos negros, dizendo que estes sim sabem lutar pelos seus direitos.

Fiquei perplexa com os assuntos atuais que o livro aborda e por perceber que, quase 70 anos depois, ainda precisamos tocar neles: aborto, divórcio, abuso psicológico e emocional, direito a voto, participação na política, e por aí vai. Simone é apaixonada e, por vezes, radical, e não há como negar sua inteligência e a argumentação lógica e factível dela. Embora ela escreva tomada por um arrebatamento e uma paixão acalorada pelo assunto, nota-se que Simone de Beauvoir preocupou-se em estruturar suas opiniões em fatos e na própria História, afinal, contra fatos não há argumentos. Assim, ela desarma qualquer tentativa de descrédito do seu movimento feminista. 

E, para concluir o post, deixo esta reflexão: “Mas o período que atravessamos é um período de transição; este mundo que sempre pertenceu aos homens ainda continua nas mãos deles; as instituições e os valores da civilização patriarcal sobrevivem a si mesmos em grande parte.” Precisamos combater os mitos cotidianos ("não leve a sério que ela está chorando, deve ser a TPM", "mulher gosta de homem safado", "mulher trabalha menos do que os homens", etc) que, na minha opinião, são os mais difíceis de serem notados e, consequentemente, derrotados. Mas, além deles, precisamos desfazer os outros mitos que existem a respeito das mulheres. É uma mudança que, como Simone mesmo aponta, precisa ser feita ao mesmo tempo, em várias esferas - dentro de casa, nos relacionamentos familiares, no âmbito político e econômico, na Constituição, na religião e nos costumes - e um trabalho grande assim só pode ser concretizado se todas nós nos juntarmos.

Posts Relacionados

Comente com o Facebook

3 comentários

  1. Estou querendo ler esse livro há séculos! Acho que vou aproveitar que agora tenho o kindle, mas de qualquer forma ainda pretendo tê-lo em formato físico.

    Sobre o desafio, eu pensei em fazê-lo, mas dando uma olhada na lista eu vi que tinha muita coisa ali que não me interessava, então deixei pra lá. Ainda serve como uma lista de sugestões, alguns livros dali eu já procurei.
    Boa sorte com o desafio! (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aline,

      Você consegue achar este livro gratuito em PDF, eu li assim.
      Do desafio em si, tem vários livros que não me interessaram também, mas a minha sorte é que já li vários dos livros e a minha amiga que faz o desafio comigo leu alguns que eu não li e se prontificou a ler os que não me interessaram.

      Beijos, flor!

      Excluir
    2. Ahh, entendi, vocês dividiram! Boa ideia.
      São uns 340 livros, eu acho? Eu li só 30 deles hahaha Mas tem vários ali que já estavam na minha lista e adicionei outros mais.
      Eu cheguei a baixar um pdf de O Segundo Sexo, mas eu comecei a ler e parece estar faltando umas partes =\ Onde você baixou?

      Excluir