O livro ou o filme? | Stardust (O Mistério da Estrela), de Neil Gaiman

Stardust , traduzido como "O Mistério da Estrela", é um livro de Neil Gaiman escrito em 1999. Primeiro, assisti ao filme, que ...


Stardust, traduzido como "O Mistério da Estrela", é um livro de Neil Gaiman escrito em 1999. Primeiro, assisti ao filme, que foi produzido em 2007, e somente depois li o livro.

No livro, "Stardust" é escrito de um jeito um pouco diferente do estilo habitual de Neil Gaiman. Aqui, ele foi mais descritivo e linear na narrativa, que tem um tom mais épico do que o normal em suas obras, focando nas aventuras de Tristran Thorn. (No livro, o nome dele é TristRan, e a produtora adaptou para TristAn no filme.) 
A estória começa em 1839, em uma cidade chamada Muralha. A cidade é cercada por um muro que é um portal para uma dimensão mágica, para onde ninguém pode ir, chamada Terra Encantada.
No início, o livro explora a vida do pai de Tristran, Dunstan. Assim, quando Tristran aparece, nós já sabemos todo o background da estória dele e temos informações de quem é sua mãe, seu pai, sua família, rotina, e assim por diante.
Com dezoito anos, ele se apaixona pela moça mais bonita de Muralha, Victoria. Ele vê uma estrela caindo atrás da Muralha e se arrisca a ir até lá buscá-la como presente, para provar seu amor a Victoria. No meio do caminho, ele se depara com uma bruxa e tenta ajudá-lo a encontrar a estrela, fingindo não ser interesse próprio na questão e também encontra um pequeno homem que o ajuda a encontrar a cidade mágica atrás da Muralha.
Chegando no local onde caiu a estrela, ele se depara com uma jovem, que diz se chamar Yvaine. Tristan quer levá-la para a Muralha e mostrá-la a Victoria, mas Yvaine não quer ir. Neste meio tempo, eles precisam enfrentar a perseguição da bruxa, que precisa da estrela para continuar jovem e imortal.

No filme, a estória principal manteve-se fiel. No entanto, algumas mudanças na construção das personagens são significativas.
A bruxa, interpretada pela linda Michelle Pfeiffer, é malévola e tem características bem marcadas no filme, o que não acontece no livro. Neste último, ela é bastante ambígua e suas motivações nem sempre baseiam-se na juventude e vida eterna. 
O capitão Shakespeare, interpretado por Robert DeNiro, mal aparece no livro e não tem nenhuma importância especial para a estória. Ele é somente mais uma das pessoas que Yvaine e Tristran encontram em sua jornada. Já no filme, ele ganhou bastante destaque.
E, atenção ao spoiler ~ fuja enquanto pode ~ sobre o final de ambos. O final do filme é diferente do final do livro, pois, no primeiro, há uma batalha, enquanto no segundo, o conflito é resolvido através de uma discussão metafórica e inspirada entre a bruxa, Yvaine e Tristan. Aliás, esta diferença me lembra o final de Harry Potter, que também não duela com Voldemort como no filme. 
Por outro lado, o filme é mais leve e mais cômico que o livro, que tem um tom mais de conto-de-fadas e mais solene.

O livro ou o filme? O livro.

Gosto do estilo épico do livro: as aventuras, as personagens que aparecem no meio dela, os obstáculos que Yvaine e Tristran precisam enfrentar e a reviravolta quando ele percebe quem Victoria realmente é. Também gosto que o livro explora mais as camadas das personagens, deixando-as mais interessantes. E, por fim, prefiro como Neil Gaiman detalhou e explorou mais a questão das dimensões mágicas, da Terra Encantada e do passado da família de Tristran. Nesta comparação, acredito que o filme - embora muito bem produzido, adaptado e bem feito - torne-se superficial.


Para mais posts sobre Neil Gaiman, coloque na busca no rodapé aqui do Perplexidade e Silêncio. Vai aparecer um montão de textos sobre ele! :-)

Posts Relacionados

Comente com o Facebook

3 comentários

  1. Oi, moça.

    Eu nem sabia que essa história era do Gaiman! Mas, analisando bem, tem muita cara dele, mesmo! Dá pra inferir que nunca li o livro, mas já vi o filme (aliás, era um dos filmes preferidos do meu pai!) e gosto muito. Como você disse, é bastante cômico - e eu a-do-re-i o destaque do capitão, especialmente pelo fato de ele ser gay e o filme passar uma mensagem bem amigável quanto a isso.

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, essa parte foi muito bem feita! Se pensarmos comparando com o livro, não tem a ver com nada da narrativa, mas, olhando o filme isolodamente, é uma cena muito boa!
      Anota aí na sua lista de leituras para o futuro, você vai gostar! :)

      Excluir
  2. Assisti ao filme sem saber que era de um livro. Agora que vou ler.

    ResponderExcluir