Literatura de Res-Peito | Herland - A Terra das Mulheres, de Charlotte Perkins Gilman

Criei um desafio literário chamado "Literatura de Res-Peito" onde irei trazer livros que, direta ou indiretamente, tratem...


Criei um desafio literário chamado "Literatura de Res-Peito" onde irei trazer livros que, direta ou indiretamente, tratem de feminismo. De ficção à não-ficção, de poesia à histórias reais, este espaço será destinado ao tema. Para abrir o desafio em grande estilo, o livro escolhido foi "Herland - A Terra das Mulheres" de Charlotte Perkins Gilman.

Charlotte Perkins Gilman é, por si só, merecedora de fazer parte deste desafio. Nascida em 1860, ela é referência de feminismo e luta pelos direitos humanos até hoje. Filha de uma mãe abandonada pelo marido, não é difícil imaginar a pobreza e o preconceito que ambas sofreram lá nos idos do séc. XIX. Charlotte teve ajuda financeira da tia Harriett, uma notória sufragista e a influência da tia em suas idéias progressistas perdurou até a morte de Charlotte, em 1935. Anos depois, Charlotte decidiu se divorciar do marido, o que também não é difícil de perceber que foi bastante vanguardista em 1888. Daí em diante, Charlotte ganhou força nos seus movimentos políticos, defendendo pontos-de-vista polêmicos e nada conservadores. Enquanto vendia sabonetes de porta em porta para sustentar a filha, Charlotte falava sobre direitos humanos, direitos das mulheres e igualdade. Depois, começou a escrever suas idéias em formas de contos e poesias. Ela foi uma mulher sensacional e eu estimulo vocês a lerem mais sobre ela, ela é inspiração pura. #TeamCharlotte

"Herland - A Terra das Mulheres" surpreendentemente foi publicado em 1915. Os temas que este livro de ficção de Charlotte abordam são tão atuais e relevantes que poderiam muito bem ser tema de escritoras pós-Margaret Atwood. Poucas pessoas sabem que este livro é, na realidade, o segundo volume de uma trilogia que nunca foi publicada integralmente (e não tem versões em português). O primeiro volume da trilogia se chama "Moving the Mountain" e o terceiro "With Her in Ourland"
Esta obra é uma utopia e uma ficção-especulativa.

O livro é narrado em primeira pessoa pelo sociólogo Vandick "Van" Jennings que, ao lado de dois amigos (Terry e Jeff), descobre uma terra secreta e misteriosa onde vivem apenas mulheres, chamada Herland. Eles não conseguem imaginar como seria um país concebido e governado sem homens e, por acharem tal realização completamente impossível, decidem permanecer ali para estudar aquela sociedade. As mulheres de Herland logo descobrem a pequena invasão dos três homens e os mantém presos, embora os tratem com gentileza, educação e absolutamente nenhuma violência.

Van tem um pensamento racional e analítico e, por ser sociólogo, é ele que conduz as reflexões mais profundas do livro. Ele questiona a ausência de guerras e armas, a religião matriarcal de Herland, a concepção assexuada que gera mais mulheres, entre tantos outros fatores que aparecem ao longo do livro (daí a ficção-especulativa). Mas, ao mesmo tempo em que aprofunda seus conhecimentos naquela sociedade, Van começa a questionar o seu próprio estilo de vida e passa a se sentir inferior, selvagem, diante da inteligência e sensibilidade daquelas mulheres.

Do ponto-de-vista feminista, o livro aborda os seguintes temas:

O debate sobre gênero
Terry é a personagem que conduz este debate. Ele é o típico "machão" na estória: tenta conquistar as garotas mais novas e fica furioso quando elas não lhe dão atenção, ofende as mulheres por elas não serem bonitas nem atraentes fisicamente, se ressente com o fato de que as mulheres são inteligentes e não o admiram, tem noções muito estabelecidas do que a mulher pode e não pode fazer. A forma como a sociedade de Herland deixa Terry desbaratinado é incrível. E como um bom "machão", Terry se recusa a olhar para as mulheres e para aquela sociedade com bons olhos, menosprezando-as sempre que possível, como só um misógino é capaz de fazer. 
Em paralelo, quando Van conta às mulheres como é a sua sociedade, elas não conseguem entender porque as mulheres "do lado de fora" tem tantas limitações e impedimentos para se desenvolverem. Suas perguntas são excelentes, seus comentários são ótimos e seus questionamentos são extremamente pertinentes. Elas fazem Van perceber como a realidade das mulheres de sua sociedade é ridícula e ilógica e, por extensão, o leitor também percebe isso. 

A mulher como figura central na economia
Herland estabelece uma economia baseada na exploração sustentável dos recursos naturais, em tecnologias de aproveitamento máximo dos recursos e na empatia com o próximo. Charlotte escreveu uma utopia que mostra um universo onde as mulheres são completamente independentes e igualitárias. A utopia traz a reflexão de que as mulheres não tem a mesma necessidade de conquistar e explorar que os homens e, por isso, construiriam modelos econômicos mais sustentáveis no longo prazo. Não existe a divisão de "trabalho doméstico", pois todas as mulheres de Herland são responsáveis pelas atividades, numa força de trabalho coletiva e comum.

Mas, claro, nem tudo são flores neste livro. Há dois aspectos que me incomodaram ao longo da leitura.
O primeiro deles é a que as mulheres de Herland são focadas na maternidade. Tudo (economia, política, educação, religião) gira em torno das crianças e de ser mãe. Li um artigo dizendo que Charlotte queria trazer um aspecto irônico para sua utopia pois ela mesma não gostava do "peso" e da obrigatoriedade de toda mulher ser mãe. (Quem, como eu, tem mais de 30 anos, sabe que esse "peso" paira sobre nós até hoje. Sempre tem alguém que comenta "Mas você não quer ser mãe!? com uma pontada notória de indignação). Se a intenção de Charlotte foi ser irônica, ela não conseguiu ou eu que não percebi.
Outra coisa que me incomodou foi o fato de todas as mulheres de Herland serem brancas, como se rolasse uma eugenia no país. Para quem não sabe, a eugenia busca promover a evolução do ser humano a partir das características hereditárias como, por exemplo, uma supremacia dos brancos. Sim, se você pensou em Hitler, é por aí. Neste sentido, falta representatividade às mulheres negras em Herland e achei uma falha grave de Charlotte, já que ela própria lutava pelos direitos nas mulheres negras.

Sobre a estória em si, não espere ação nem um clímax. A narrativa caminha devagar, é composta predominantemente de diálogos entre os três homens ou de pensamentos de Van. O livro parece mais um estudo do que um romance e, por isso, pode desanimar alguns leitores. No entanto, leia este livro com foco nos debates entre os homens e as mulheres, pois é disso que ele se trata.
É uma leitura que recomendo. Se você já leu e quer debatê-lo comigo, é só me procurar nas redes sociais.

No Perplexidade e Silêncio, há vários livros na temática do feminismo, que passaram por aqui em outras tags e outros desafios. Para ter acesso a todos eles, clique na categoria GRL PWR.

Avaliação do Perplexidade e Silêncio: 

Posts Relacionados

Comente com o Facebook

0 comentários