Galeria de Fotos #24 | Meus livros favoritos: As Horas (Michael Cunningham)

Anteriormente, falei sobre "As Horas", de Michael Cunningham aqui , mas ele não poderia ficar de fora das séries de foto com ...


Anteriormente, falei sobre "As Horas", de Michael Cunningham aqui, mas ele não poderia ficar de fora das séries de foto com meus livros favoritos. É uma recomendação de leitura para almas sensíveis e adoradores de romances. Porém, antes de falar mais sobre o livro, falarei sobre a locação das fotos deste post.



As fotos foram tiradas na Casa Guilherme de Almeida. A casa é um museu em homenagem ao escritor Guilherme de Almeida, que fez parte do movimento Modernista e lutou na Revolução de 1932. Além de escritor, também era tradutor, pintor, poeta e crítico de cinema. No seu círculo social, havia nomes de peso como Lasar Segall, Mário de Andrade, Anita Malfatti, entre outros. A casa onde ele morava virou, além do museu, um espaço de produção literária, com diversos eventos.




Infelizmente, não se pode tirar fotos de dentro da casa, mas os locais externos dela são lindos e bem conservados. O interior da casa é maravilhoso: cheio de livros, obras de arte, quadros, poesias e com uma decoração aconchegante e cheia de personalidade, igual era na época que Guilherme ali morava. Vale muitíssimo a pena visitar este espaço. Os educadores são extremamente simpáticos e prestativos, garantindo uma ótima visita.



Agora, falando um pouco sobre "As Horas". O livro foi escrito em 1998 e retrata três mundos femininos diferentes que convergem na literatura de Virgínia Woolf. Assim, temos três estórias paralelas, que entrecruzam-se em diversos pontos.
A primeira se trata da própria Woolf, quando o livro narra (de forma fictícia e extrapolada) os últimos dias de vida dela, bem como a produção de seu livro, "Mrs. Dalloway". A segunda estória narra as angústias de Laura Brown, na década de 50, quando ela começa a questionar seu papel de esposa/dona-de-casa/mãe, ao ler "Mrs. Dalloway". E a terceira estória fala sobre Clarisse, no início dos anos 2000, apelidada de "Mrs. Dalloway" pelo seu melhor amigo, e os preparativos para uma festa que ela está oferecendo.



Apesar de viverem em épocas completamente diferentes, as três mulheres tem diversos aspectos em comum: estão angustiadas porque percebem que os papéis que desempenham em suas vidas não é exatamente como elas gostariam que fossem e se vêem diante de circunstâncias externas que não favorecem, e às vezes impossibilitam, que elas façam as mudanças que desejam. Desta forma, elas tornam-se reflexivas e melancólicas, e as pessoas ao seu redor (amigos e família) não conseguem apreender o que se passa dentro delas.
Michael Cunningham usou o mesmo recurso narrativo de Woolf em seu livro. As personagens são apresentadas em situações cotidianas que, aparentemente, não tem nenhuma relevância. No entanto, ao desempanharem estas atividades banais, ele se aprofunda nos sentimentos e nos pensamentos de cada uma das três mulheres, alternando um capítulo para cada uma. É uma narrativa rica em reflexões e subjetividade.
Aviso: leia com um lencinho à mão. O livro arrancará lágrimas até dos corações mais endurecidos. 

Para quem ficar interessado na obra, escrevi um artigo chamado "O delicado universo feminino em As Horas, de Michael Cunningham" que pode ser lido aqui.
E para quem se interessou também pela obra "Mrs. Dalloway", de Virgínia Woolf, falei sobre ela aqui e aqui.

Posts Relacionados

Comente com o Facebook

4 comentários

  1. SERÁ QUE AMEI???
    Fica a pergunta. Hahaha.
    Por causa de você, ainda quero MUITO ler esse livro! Não acho em lugar nenhum (pelo menos, em português) </3 Poderia ler em inglês, mas sou muito l e r d a, então, ficaria irritada.
    As minhas fotos preferidas são a primeira e a última :)
    Adorei a coluna, como sempre. Quero mais!

    Love, Nina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quero TANTO que você leia este livro!

      Excluir
  2. Nesse universo de blogs literários eu descobri que tirar fotos de livros é algo de que gosto muito. Por muito tempo eu estive extremamente empolgada com meu instagram do sobre livros e letras, porque podia unir meus dois amorzinhos: livros e fotografia. E como as fotografias do seu blog são sempre magníficas, quando são de livros são ainda mais lindas <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awn, obrigada, flor, fico feliz que goste das fotos! (:

      Excluir