O livro ou o filme? | Coraline, de Neil Gaiman

A discussão sobre as adaptações para o cinema de obras literárias sempre rendem pano para a manga (adoro essa expressão!). Na grande m...


A discussão sobre as adaptações para o cinema de obras literárias sempre rendem pano para a manga (adoro essa expressão!). Na grande maioria dos casos, os livros são melhores, mas às vezes o filme ganha esta disputa. Com o objetivo de promover estes debates, a sessão "O livro ou o filme?" foi criada, com direito a placar de quem está ganhando a competição. Hoje, a obra escolhida é Coraline, de Neil Gaiman.



Já tive meu momento tiete quando o Neil Gaiman foi o Escritor do Mês. Por isso, não vou me repetir, falando dele novamente. Vamos direto à obra!

Coraline, o livro, foi lançado em 2002 e fala da estória da pequena garota que muda-se para uma nova casa, que é bastante misteriosa. Enquanto seus pais trabalham, a menina - entediada e curiosa - descobre uma passagem secreta que a leva para um mundo alternativo. Neste outro mundo, há uma réplica de tudo o que há no mundo real - seus pais, os vizinhos, a casa, o jardim e o gato. A diferença é que, no mundo alternativo, os seres tem botões no lugar dos olhos e seus pais são mais atenciosos e amáveis com ela, em um primeiro momento. 
Porém, ao retornar ao mundo real, ela descobre que seus pais sumiram e precisa desvendar este mistério.

No filme, a estória central se mantém a mesma, sendo bastante fiel ao original. Há uma única diferença substancial que é a aparição, no filme, de um garotinho chamado Wallenby, que não está no livro. Ele é uma adição bacana na narrativa, portanto, foi uma mudança positiva. O final da estória também é bastante parecido entre ambos, com pequenos ajustes no filme, mas nada que altere a mensagem transmitida ou a estrutura da trama.

O livro ou o filme? O filme!

Ao ler Coraline, a sensação que tive foi de que Neil Gaiman estava com pressa para terminar o livro. Uma vez que sou fã de seu trabalho, me decepcionei com esta obra: achei-a pobremente escrita, com ausência de exploração das cenas e das personagens, e os acontecimentos importantes sucedem-se muito rapidamente uns aos outros, não dando tempo ao leitor de conectar-se emocionalmente com nenhum deles. 

Porém, a essência de uma estória maravilhosa estava ali, e fico feliz que o diretor Henry Selick tenha se interessado pela trama. Henry, aliás, estreiou no cinema com "The Nightmare Before Christmas" do Tim Burton.
Neil Gaiman encarregou-se, junto com ele, pelo roteiro, e acho que então ele pôde completar o que faltou no livro, como se tivesse passado a limpo a estória. Além disso, a opção por fazer uma animação em stop-motion foi acertada, pois deixa o mundo alternativo ainda mais surreal, além de terem construído uma Coraline à imagem e semelhança do livro.

O crédito de Neil Gaiman continua ali, pois o universo e as complicações da estória de Coraline são realmente muito criativas. No entanto, acho que ele alcançou a plenitude da obra no filme, e não no livro. Talvez os sete anos entre o livro e o filme tenham feito Gaiman completar as lacunas da trama.

Não li a HQ de Coraline, mas está na minha lista de pendências. 
Recomendo, assim, que assistam o filme e deixem o livro para um segundo momento e leiam-no mesmo assim, afinal, um livro abaixo da média do Gaiman é melhor do que a maioria dos outros! (:


E você, já assitiu ao filme ou leu o livro? Deixe sua opinião aí nos comentários!

Posts Relacionados

Comente com o Facebook

0 comentários