Escritores que Inspiram: Neil Gaiman

Tenho certeza que este será um dos escritores mais difíceis de falar sobre, pois Neil Gaiman tem tantas nuances e camadas que é quase...


Tenho certeza que este será um dos escritores mais difíceis de falar sobre, pois Neil Gaiman tem tantas nuances e camadas que é quase uma ofensa tentar resumí-lo. E ele transforma a sua profundidade em magia e fantasia, o que torna tudo ainda mais lindo e interessante. 

No começo da carreira, muitas editoras rejeitavam seus trabalhos, por ser fantasioso demais. (J.K. Rowling sofreu o mesmo problema e, para ser sincera, eu também estou sofrendo dele! rs). Neil Gaiman, então, adotou a estratégia de, primeiro, tornar-se jornalista para entrar no mundo editorial e, depois, tentar lançar-se novamente como escritor.
Ele começou a ganhar destaque aos poucos, com críticas literárias e escrevendo biografias, até que conheceu Alan Moore, também um iniciante na época, e os quadrinhos começaram a ser escritos. Daí para frente, ele deslanchou e tornou-se este Rei que é!
(Sou fã mesmo e não disfarço.)

Ele é bastante ativo nas redes sociais e compartilha com seus fãs (incontáveis e fiéis) seus processos criativos, suas reflexões sobre arte e fama e suas idéias sobre o mundo.

& Obra
Neil Gaiman escreve romances de ficção, HQs e roteiros de seriados. Ele consegue adequar sua linguagem ao meio para o qual está escrevendo, sem perder sua identidade e genialidade, seja para que público ou tipo de mídia for. Desta forma, separei uma obra de cada tipo para apresentar aqui neste post.

Como já falei anteriormente sobre "O Oceano no Fim do Caminho", escolhi outro romance dele:

"Deuses Americanos"
Este livro conta a estória de Shadow que, recém saído da prisão, descobre que sua esposa morreu e que seu antigo emprego não está mais à sua disposição. Encontrando-se perdido neste novo cenário, ele conhece um homem excêntrico chamado Wednesday (!), que lhe oferece um emprego e a oportunidade de viajar por todo o país como seu guarda-costas.
Shadow aceita a oferta e, com o tempo, descobre que, na realidade, Wednesday é um dos Deuses, o que confere à sua atribuição de guarda-costas bastante perigo e imprevisibilidade.
A "personalização" dos Deuses ocorre mais ou menos como em Sandman (e como ele fez com a Tardis do Doctor Who 


Recentemente, li "Stardust" (que deu origem ao filme), "Coisas Frágeis" e a versão em livro da HQ "Coraline" (que também deu origem à animação). Mas, falarei destas obras dele em outra oportunidade, em um vídeo que estou preparando sobre ele. Aguardem!

Na categoria HQ, comentei aqui que quero ler "Black Orchid" e falarei da melhor HQ de todos os tempos da história da Humanidade:

"Sandman"

Começando das capas sombrias de Dave McKean (que está para Gaiman mais ou menos como Depp para Tim Burton), a série de HQs é incrivelmente artística. Os diálogos são permeados de citações poéticas inesperadas, lindas confissões de melancolia e pitadas do sarcasmo inglês, claro.
A HQ gira em torno de Sonho, um dos Perpétuos. Os outros Perpétuos são Destino, Morte, Destruição, Delírio, Desejo e Desespero (estes dois últimos, gêmeos) e são todos irmãos. A HQ narra as aventuras de Sonho para manter seu Reino intacto, já que as mentes de todos os humanos estão conectadas a ele, provocando caos e confusão.
Resumir "Sandman" me aperta o coração, pois é tão mais do que uma sinopse pode descrever! E mesmo para quem não gosta de HQ, é uma leitura imperdível.

Inclusive, esta obra inspirou um livro que estou escrevendo neste momento e o texto Meu Encontro com a Saudade.

Também recomendo "Livros da Magia", que é uma mini-série em quadrinhos que me lembrou muito a saga Harry Potter. Mas isso é assunto para o vídeo que virá em breve.

E, para finalizar, além de ter feito o episódio do Doctor Who que comentei acima (chama-se Nightmare in Silver - mais corações, por favor ♥ ), ele escreveu para a BBC esta série:

"Neverwhere"

A série foi ao ar em 1996 e se passa no mundo imaginário de "Londres de Baixo e Londres de Cima". Conta a estória de Richard que, ao decidir ajudar uma garota chamada Door, passa a ser invisível para os moradores de "Londres de Cima" e precisa mudar-se para "Londres de Baixo".
(Sério que o Richard não entendeu que a garota seria uma Porta/Door para outro lugar? Poxa vida.)
A "Londres de Baixo" é como um universo paralelo, onde as coisas são parecidas com "Londres de Cima", mas não exatamente as mesmas.




Ou seja, Neil Gaiman é um artista de verdade, como se fazem pouquíssimos ultimamente.
Todos façam uma reverência ao Rei!

Escritor do Mês anterior: Ernest Hemingway

Posts Relacionados

Comente com o Facebook

1 comentários

  1. Deuses Americanos é meu romance favorito dele, mas acho que, da obra completa, a minha favorita ainda seja Sandman - Os Caçadores de Sonhos. Foi meu primeiro contato com o autor e me marcou demais, mas eu ainda poderia citar uma infinidade de livros que me fazem ter brilho nos olhos. Dos menos badalados, eu recomendo The Truth is a Cave in the Black Mountains (acabou de ser traduzido pela Intrínseca) e Mr. Punch.

    Beijão!!!

    ResponderExcluir