Tinha uma pedra no meio de mim

Solitude is Bliss - Wandering Heart O barulho do rio me chama a atenção e, quando percebo, estou descalça acompanhando seu caminho e se...

Solitude is Bliss - Wandering Heart
O barulho do rio me chama a atenção e, quando percebo, estou descalça acompanhando seu caminho e seu movimento, sentindo na sola dos pés a terra úmida e as folhas amolecidas. Folhas caídas de árvores mais antigas do que eu mesma e do que minhas dores - que parecem tão irreais e tão infantis ali, como se a água estivesse me lavando por dentro.

Na minha cesta, que deveria conter florzinhas amarelas, começo a colecionar pedras. Vou recolhendo, ao longo da borda do rio, todas as pedras que vejo, e a cada uma delas dou um nome e um significado, ainda sem entender o motivo deste meu impulso meio bobo.

Primeiro, recolho uma pedra pequena e redonda, com jeito de gasta pelo tempo, e ela nomeio como "meus medos de criança". São medos tolinhos, do tipo dormir-de-luz-apagada ou colocar-o-pé-para-fora-da-cama e que, se eu analisar bem, vez ou outra ainda carrego comigo. A pedrinha fica ali, no fundo da cesta, solitária.
Um pouco à frente, pego uma pedra um pouco maior que esta primeira e já não tão redonda, e penso nos meus "anseios de criança". Estes são mais pesados e mais disformes, incômodos na palma da mão: anseios pelo pai distante, pelos amigos não feitos, pela casa cheia e alegre. Largo rapidamente a pedra na cesta, antes que tais pensamentos tomem conta de mim.

Tropeço, então, em meio à umidade da terra da beira do rio, em uma pedra maior que todas as outras até então, negra e polida, diria até que se tratava de uma pedra tristemente bonita. Ela nomeio de "crises da adolescência" e todas as inadequações, solidões e pequenas tragédias desta época. Eu sei, eu sei: você dirá que existem muitos livros que abordam cientifica e psicologicamente o quanto esta fase é difícil para todos. E eu te respondo: dane-se! Dane-se se é assim com todos - o que importa é que foi assim para mim, e eu odeio isso.
Com esta pedra, a cesta se desequilibra um pouco, mas eu continuo segurando-a.

Logo à frente, vejo várias pedras parecidas, todas mais ou menos do mesmo tamanho, formato e cor. Elas são as pedras dos "meus sonhos esquecidos". Ser astronauta, mais bonita, viajar o mundo em um balão, ter um castelo para chamar de meu, ver aurora boreal, ser escritora, ter família. Tantos sonhos que vão ficando pelo caminho, conforme o mundo te diz: cresça! Mas eu não cresci. E lá vão estas pedras para o fundo da cesta.

Então, logo adiante, está a maior pedra de todas. A mais feia e mais deformada, toda angulosa e esquisita: a ela dou o nome de "pedra do desamor". Foi a pior que já encontrei ao longo do rio - ao longo da minha vida. Ela traz não só a dura realidade de que, às vezes, o amor é uma ilusão que deixa uma cicatriz profunda, como também traz a verdade de que eu me des-amei no percurso da vida. A pedra tem o peso da culpa, do remorso, do arrependimento e de mil escolhas mal feitas. É uma tonelada inteira de tristeza e dor.
Ela nem cabe na cesta. E, na tentativa de fazê-la se encaixar em meio às demais pedras, me cai um cansaço de um universo inteiro desabando - o universo que tem dentro de mim não aguenta. E eu desmorono.

Não posso mais andar com uma cesta tão pesada. Preciso me livrar dela para poder continuar andando, sentir a terra úmida nos pés descalços, nadar nas águas claras do rio. Toda aquela beleza do mundo ao meu redor ainda me chama, ainda me cativa, apesar de toda a angústia. Eu ainda tenho sol dentro de mim, e isso nunca deixarei morrer.

A decisão vem aos poucos e, quando chega completa, não há nada que possa me fazer mudar de idéia: chuto minha cesta com muita raiva para dentro do rio. As pedras rolam, afundam e somem nas suas águas, fazendo parte do leito do rio - da estrutura da minha vida - mas não mais do meu caminho. Primeiro, afundam as pedras maiores e mais pesadas, e com gosto vejo a pedra do desamor se afogando em esperança e limpeza.

Então, minha cesta está ali, derramada e vazia, pronta - prontíssima! - para receber lindas e delicadas florzinhas amarelas. Mas, antes, me banho no rio, de alma limpa e pura e cristalina.

Posts Relacionados

Comente com o Facebook

2 comentários

  1. Sabe quando lágrimas caem dos olhos quando se menos espera? Isso acontece quando leio seus textos. Suas palavras me trazem inspiração, identificação, me trazem vida.

    ResponderExcluir
  2. Linda crônica!, essas palavras me despertaram, as vezes deixamos passar coisas tão simples sobre nós mesmos mas que tem significados tão fortes...

    ResponderExcluir