Virgínia, é você?

Estou acostumada a pensar na minha angústia como um vazio, e a senti-la como um buraco no meio do peito. Ecoando um silêncio dolorido...



Estou acostumada a pensar na minha angústia como um vazio, e a senti-la como um buraco no meio do peito. Ecoando um silêncio dolorido e cinzento. Ela, uma velha companhia, amiga desde a infância, que, mesmo quando esteve ausente, sentia me observando por trás da porta. Mas, em meio à tantas desconstruções (ou reconstruções), até minha angústia ganhou uma nova forma: ela não é mais um vazio, e sim, um excesso.

É um afeto que não me engana - embora eu tente fechar os olhos a ele. Transborda dentro de mim e derrama tanto no meu mundo, um tanto que não consigo sempre discernir: estou perdida porque estou muito viva. Faz sentido perceber-se melancólica porque a vida está entrando nos eixos? Alguma coisa, alguma  vez, fez algum sentido por aqui: acho que não.

Não sei o que fazer com esse excesso. Se guardo em potinhos para quando o vazio chegar. Se distribuo em baldes para lavar o quintal. Se recolho com as mãos e bebo, como água. Porque eu tenho me percebido mais completa a cada dia, e os espaços vazios que vão sumindo me deixam com uma pergunta pendurada no cantinho da minha mente: ainda sou a mesma?

Claro que não. E isso é um grande alívio.

Havia tanto o que ser consertado na minha casa quebrada, e finalmente consigo ter um pouco de energia para a reforma. Eu estive tão confortável no meu vazio e na minha solidão, por tantos longos e árduos anos, que estranho o calor gostoso que faz agora. Não encontro na minha vida o frio e o silêncio que sempre estiveram por aqui, e sinto medo.

Fiquei muito tempo no escuro: abri a janela e o Sol entrou, aceso e claro. Dói os olhos, mas ah!, a imagem é tão linda, e o dourado é tão perfeito.

Sinto felicidade, uma felicidade tão profunda que me assusta. Sempre gostei de contradições e aqui vai mais uma: a felicidade me deixa melancólica. É o excesso, e o não saber o que fazer com ele. Mas eu gosto: este tipo de confusão eu aceito de bom grado. E tento cuidar dessa felicidade com o maior cuidado, porque quando olho a minha história, percebo que é o que tive de mais precioso até aqui.

A angústia de ser uma criança e ganhar aquele presente que você desejou por muito tempo: colocam ele nas tuas mãos e você não sabe nem por onde começar a abrir o pacote. Porque é algo tão mágico que a criança  teme que não seja real. Os sonhos existem, então? Ah, ando cheio de perguntas, como sempre - mas as perguntas que me faço agora são completamente diferentes. 

Será que finalmente posso considerar que estou sendo salva? Assim espero.
Quero recuperar os pedaços que deixei pelo caminho.


Posts Relacionados

Comente com o Facebook

2 comentários

  1. Ela sobra, pq preenchia o vazio.
    Deixa-a sobrar, transbordar e escoar.

    ResponderExcluir
  2. O costume pelo cinza faz com que o dourado lhe pareça assustador. Mas deixe-o ser! O susto é uma forma de conhecer coisas novas, sentimentos novos. Todo dia quando acordamos, seguimos por um rumo desconhecido. Todo dia é dia de espanto. E às vezes dá muito certo (:

    ResponderExcluir