Retrospectiva Literária 2020

  Não deve haver uma pessoa nesse mundo que está triste porque 2020 está acabando. Mais do que nunca, o refúgio que os livros nos oferecem f...

 


Não deve haver uma pessoa nesse mundo que está triste porque 2020 está acabando. Mais do que nunca, o refúgio que os livros nos oferecem foram necessários para não enlouquecermos em meio a tantas notícias ruins. O momento de mais uma Retrospectiva Literária chegou e separei as leituras mais relevantes para mim neste ano.

Se você quiser conferir as seleções dos anos anteriores, o Perplexidade e Silêncio faz retrospectivas literárias desde 2014. Todas elas podem ser encontradas dentro da sessão "Sugestão de Leitura" aqui.

MELHOR LIVRO DE FANTASIA 
Circe, de Madeline Miller
"Circe", publicado em 2018, é a adaptação de Miller para o mito de Circe, a deusa-ninfa dos feitiços e da bruxaria. Filha do Deus Sol Helios, Circe passa toda sua imortalidade sendo renegada, abandonada e ofendida pelos (inúmeros) membros de sua família, até que é banida para uma ilha, fadada a viver em eterna solidão. Porém, é exatamente neste momento que Circe se descobre e se transforma numa das mais poderosas bruxas da mitologia grega.
Na história original, Hermes a convence a permitir que Odisseu (também chamado de Ulisses) passe por sua ilha sem sofrer nenhum mal. Circe se apaixona por Odisseu e eles tem três filhos, enquanto Penélope, esposa de Odisseu, espera em casa que ele retorne de sua viagem de quase vinte anos de duração.
Por que escolhi este livro? Miller se mantém fiel aos principais elementos da mitologia em volta de Circe, Odisseu e Penélope. Para mim, a parte mais interessante de seu trabalho é o profundo desenvolvimento da protagonista.
Este é um dos melhores livros que já li e recomendo muitíssimo. Para ler a resenha completa, clique aqui.

MELHOR LIVRO DE FICÇÃO-CIENTÍFICA
Os Testamentos, de Margaret Atwood
"Os Testamentos" acontece quinze anos depois dos eventos de "O Conto da Aia" e é narrado em primeira pessoa por três personagens: Tia Lydia, Agnes e Nicole. Todas elas estão escrevendo relatórios que só se tornam claros quando o livro termina e todas as peças do quebra-cabeça são reunidas.
A premissa deste livro é entender como as meninas nascidas sob o regime de Gilead vivem e experienciam o mundo, já que são a primeira geração de filhas de Esposas e Aias e não tem as referências que nós temos de como era o mundo antes de Gilead. Além disso, descobrimos que existem países no mundo que não foram atingidos pelo golpe religioso/militar e seguem como democracias, abrigando os refugiados que conseguem sobreviver a uma fuga de Gilead (como o Canadá, por exemplo).
Por que escolhi este livro? Primeiro, quis escolher uma obra de ficção especulativa para esta categoria da retrospectiva porque, normalmente, as pessoas pensam em space operas para sci-fi, o que é uma visão limitada do gênero. Depois, porque Atwood fez um excelente trabalho. Agnes representa esta primeira geração de meninas nascidas no novo governo e demonstra o impacto que a sociedade teve em seus valores, pudores, medos, brincadeiras e emoções. Achei genial e muito interessante de ler.
Para ver a resenha completa, clique aqui.

MELHOR ROMANCE #1
Me Chame pelo Seu Nome, de André Aciman
O livro "Me Chame Pelo Seu Nome", publicado originalmente em 2007 por André Aciman, fala do romance entre o adolescente de 17 anos Elio e Oliver, um estudante americano de 24 anos que está visitando a Itália e é hóspede na casa de Elio. Os pais de Elio costumam abrigar um estudante a cada verão, hóspede estes que dormem no quarto de Elio enquanto ele se muda temporariamente para o quarto ao lado.
A narrativa se passa no verão de 1983. Oliver é despreocupado e desapegado , às vezes até mesmo arrogante, num forte contraste com a introversão de Elio. Elio escolheu Oliver como convidado na esperança de afinidades instantâneas entre eles e atua como seu guia turístico, embora as tentativas de Elio de impressionar Oliver sejam recebidas com indiferença. Quando Oliver agarra o braço de Elio após uma partida de vôlei, Elio se retrai de medo. Elio então reconhece sua própria bissexualidade e sua atração por Oliver e duvida que Oliver retribua seus sentimentos.
Por que escolhi este livro? Me identifiquei muito com Elio. Os pensamentos e sentimentos dele são tortuosos, às vezes chatos, às vezes repetitivos, mas sempre muito humanos. Gosto de sua fragilidade, vulnerabilidade, insegurança e introversão.
Para saber mais sobre essa história, veja esse post: O livro ou o filme? | Me Chame pelo Seu Nome, de André Aciman

MELHOR ROMANCE #2
Cadê Você, Bernadette?, de Maria Semple
Publicado em 2012, "Cadê Você, Bernadette?" é um romance sobre uma arquiteta que tem agorafobia chamada Bernadette. Para quem não sabe, agorafobia é um transtorno de ansiedade em que alguém sente que as pessoas e os lugares lhe oferecem risco de vida e, desta forma, o(a) agorafóbico(a) evita sair de casa, assim como também evita relacionamentos interpessoais.
Assim, Bernadette contrata uma assistente pessoal virtual, Manjula, que mora na Índia e auxilia Bernadette com todas as atividades do dia-a-dia: marcar consultas médicas para a família, fazer compras, resolver problemas com o banco, providenciar remédios na farmácia, e assim por diante.
Sua filha, Bee, atinge as melhores notas na escola e diz que, como recompensa, gostaria de viajar com os pais para a Antártida. Bernadette não gosta muito da idéia desta viagem, mas coloca Manjula para trabalhar, pedindo para a assistente organizar as pendências da viagem.
Por que escolhi este livro? Pela maneira como Maria Semple construiu a narrativa, usando de uma estrutura bastante criativa. Nós, leitores, sabemos da história através de cartas, mensagens, bilhetes, faxes, e-mails e relatórios. E também pela própria Bernadette, uma ótima protagonista.
Você pode ler a resenha do livro aqui ou conferir a comparação com o filme aqui.

MELHOR SÉRIE LITERÁRIA
Trilogia Scythe, de Neal Shusterman
Adoro a premissa desta série de Neal Shusterman. Na trilogia Scythe, num futuro bem distante, a Humanidade chegou em um nível tão utópico que não há mais mortes de causas naturais. Assim, para controlar a população mundial e evitar que exista pobreza ou miséria, existem os Ceifadores. Os Ceifadores são pessoas treinadas para matar, seguindo estatísticas, orientações e regras do Conclave, uma entidade completamente separada do governo e da política, com poderes plenos. Além disso, a governo/política, na realidade, é uma Inteligência Artificial altamente especializada chamada Nimbo-Cúmulo.
A saga começa quando o Ceifador Faraday recruta Rowan e Citra para serem seus sucessores e eles logo percebem que a sociedade dos Ceifadores tão é tão binária quanto parecia a princípio. Já li o primeiro volume da trilogia e a resenha pode ser lida aqui.
Por que escolhi essa série? Eu não consegui parar de ler até terminá-la, fui emendando um volume no outro tamanha a curiosidade de saber o que aconteceria no fim. E estou até hoje pensando qual seria a cor do meu manto, meu nome de Ceifadora e meu método.
Você pode conferir, também, as resenhas do segundo e do terceiro volumes.

Agora quero saber a sua opinião. Quais foram os livros que mais marcaram você este ano?

Posts Relacionados

Comente com o Facebook

1 comentários

  1. Oie!
    Adorei conheceer seu blog, mas não consegui achar o botão de seguir
    segui pelo painel de controle hehehe
    Amei a sua coluna de retrospectiva literaria

    Sabe que eu recebi o timbre mas nao li ainda o ceifador? Quero uma boa promoção dele heheh mas ta na minha lista
    Beijos!
    Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

    ResponderExcluir